Análise: Devil May Cry: Peak of Combat

Análise: Devil May Cry: Peak of Combat

Muito Além da Expectativa

O Inesperado Mergulho de Devil May Cry no Mobile

“Devil May Cry: Peak of Combat” chegou ao mundo dos jogos mobile, lançado em 10 de janeiro de 2024 pela NebulaJoy, e trouxe uma surpresa… mas não das boas. O que parecia ser uma promissora adaptação do universo de “Devil May Cry” da Capcom para iOS e Android acabou sendo uma decepção.

Dante Não Salva Este Jogo

Fonte: Portal do Pixel

Embora “Peak of Combat” prometesse um jogo de ação empolgante, ele se revelou um exemplo clássico de como não adaptar uma franquia amada para o mobile. Comparar este título com a série original é como confundir Pac-man com Metal Gear.

História: Um Elemento Esquecível

A forma como “Peak of Combat” aborda a monetização vai além do tolerável. Parece que o inferno da monetização encontrou um novo lar! A tentativa de contar uma história neste jogo é tão fraca que, mesmo após dois dias de lançamento, é difícil lembrar detalhes significativos. Embora o início explosivo no bar de Dante pudesse ser um bom sinal, a narrativa se perde em meio a artefatos e personagens sem impacto.

Combate: Uma Cópia Mal Sucedida

O sistema de combate tenta imitar “Honkai Impact 3rd”, mas falha miseravelmente. Para um título que promete ser o “pico de combate”, a falta de originalidade e diversão é surpreendente.

Fonte: Portal do Pixel

O jogo falha ao equilibrar a simplicidade necessária para o mobile com uma jogabilidade envolvente. A interface de combate é confusa, e mesmo com o suporte a controle, a experiência continua sendo medíocre.

Sistemas de Progressão: Mais do Mesmo

Como muitos jogos, “Peak of Combat” se perde em sistemas de progressão redundantes, que mais atrapalham do que ajudam.

A abordagem de monetização deste jogo é tão agressiva que se destaca negativamente até mesmo entre outros títulos gacha. Uma ganância que transborda a cada atualização.

Um Exemplo de Como Não Fazer

“Devil May Cry: Peak of Combat” é uma experiência desprovida de alegria. Seu sistema de combate não faz jus ao legado da série, e a diversão é sepultada sob camadas de monetização opressiva. Se isso é o pico do combate, melhor ficar longe das montanhas.

Nota? Muito RUIM!

Qualquer ponto positivo é rapidamente ofuscado por uma avalanche de problemas. Talvez os mais desesperados ou ingênuos encontrem um vislumbre de diversão, mas para a maioria, será uma jornada árdua e pouco gratificante.